DESDE MAIO

DE 1999

NOSTRADAMUS - A HORA DA VERDADE

O MAIOR, MELHOR, E MAIS SÉRIO SITE EM PORTUGUÊS SOBRE NOSTRADAMUS

 

 Site editado por Wilson A de Mello Franco - Autor de 20 livros sobre Nostradamus.

FINALMENTE VOCÊ ENCONTROU UM SITE DE VERDADE SOBRE NOSTRADAMUS!

 

Menu Nostradamus

Menu Profecias

Contato - Imprensa

Cabala

Livros do Autor do Site

® DIREITOS RESERVADOS - EDITORA SÉCULO XXI LTDA - LEI 9610 Direitos Autorais 1998.  Permitida a cópia total desta página em sites, blogs, etc., desde que citado o link para este site, e o nome do autor.  LEIA TUDO AQUI  

 

“HAVERÁ OUTRO HITLER ALGUM DIA.”

 

FRASE DE Ewald von Kleist

 ex-oficial nazista, Falecido recentemente

 

DUAS VEZES ELE TENTOU MATAR HITLER!

 

Os Estados Unidos têm a bomba, Israel tem, outros países também têm. Então... 

POr QUE O IRÃ NÃO PODE TER A BOMBA ATÔMICA?

 

PARTE DE UMA ENTREVISTA DE Ewald von Kleist, EX-oFICIAL DO EXÉRCITO NAZISTA, PARA A REVISTA ALEMÃ DER SPIEGEL, A  9 de agosto de 2011

 

 

Ewald von Kleist, 88 anos (em 2011, ano da entrevista, faleceu em 8 de março de 2013), ex-oficial da Wehrmacht, era o último membro ainda vivo que participou do complô de 20 de julho de 1944 para matar Hitler, como parte da "Operação Valquíria". Embora suspeito de envolvimento, ele escapou do destino da maioria dos outros conspiradores - incluindo seu pai - quando a acusação formal foi retirada devido à falta de provas. Anteriormente, em janeiro de 1944, Kleist tinha planejado assassinar Hitler com explosivos em um evento para demonstrar um novo uniforme, mas Hitler não apareceu. Depois de ser mantido por um período no campo de concentração de Ravensbrück, ao norte de Berlim, Kleist foi para a Itália com documentos falsos antes de, finalmente, cair nas mãos dos americanos.

    Após a guerra, Kleist fundou uma editora e, em 1962, o evento que mais tarde se tornaria a anual Conferência de Munique sobre Segurança, que se realizou até 1998.

 

Spiegel: Os ataques de 11 de setembro... o Bundeswehr (forças armadas da Alemanha) foi obrigado a apoiar os Estados Unidos em sua guerra contra o terrorismo islâmico e no Afeganistão, em particular, porque é onde estavam as pessoas por trás dos ataques.

 

Kleist: É verdade que, depois de 11 de setembro de 2001, os Estados Unidos declararam guerra contra o terrorismo global. Mas contra que país? Por que é isso uma guerra? E quem é o inimigo?

 

Spiegel: O inimigo é o Taliban no Afeganistão e a rede terrorista Al-Qaeda.

 

Kleist: Al-Qaeda é uma quimera. Não há organização, e não há nenhum país que você pode  travar uma guerra contra. Em vez disso, estamos em guerra contra uma ideia...

 

“As armas nucleares dos EUA e da Rússia não são o problema."

“HAVERÁ OUTRO HITLER ALGUM DIA.”

 

Spiegel: Por que precisamos de uma força de intervenção, em primeiro lugar?

 

Kleist: Porque você nunca pode descartar totalmente a possibilidade de que terá que tomar uma ação militar. Mas o verdadeiro perigo está em outro lugar.

 

Spiegel: Onde?

 

Kleist: Na guerra nuclear. Infelizmente, não podemos descartar que isso não vai acontecer.

 

Spiegel: Quem iria travar uma guerra? Os Estados Unidos e a Rússia estão fazendo esforços mútuos de desarmamento. O presidente dos EUA, Barack Obama, chegou a anunciar uma meta que ele chama de "Zero Global", ou a eliminação de todas as armas nucleares em todo o mundo.

 

Kleist: A ideia de Obama de um mundo sem armas nucleares é um disparate. Ninguém que pode contar até cinco acredita que pode acontecer. Mas as armas nucleares da Rússia e dos Estados Unidos não são o problema.

 

Spiegel: Então, quais armas são?

 

Kleist: O fato de que estamos sentados aqui tendo esta conversa é porque, no passado, as grandes potências nucleares - a saber, América e Rússia - pensavam o mesmo sobre a vida e a morte.  Ambos diziam que a vida é boa e que a morte deve ser evitada. Mas agora nem todos pensam mais assim.

 

Spiegel: A quem exatamente você está se referindo?

 

Kleist: Todos podemos recordar as imagens das crianças iranianas com bandanas verdes que correm em linha reta para o fogo das metralhadoras iraquianas. Seus pais permitiram que isto acontecesse porque acreditavam que seus filhos estavam cumprindo a vontade de Deus.

[Nota: As crianças foram reunidas e mandadas correr sobre campos minados, a fim de neutralizar, com suas vidas, as minas, enquanto eram alvejadas pelas metralhadoras iraquianas.]  

 

Spiegel: Na época, as armas nucleares não eram o foco da questão como o são agora.

 

Kleist: Não, mas a mudança na atitude em relação à vida e a morte revela uma questão muito importante. Algum tempo atrás Bin Laden disse: "A diferença entre nós e vocês é que vocês amam a vida e nós amamos a morte". Tenho medo de que ele esteja certo.

 

Spiegel: Países geralmente agem mais racionalmente do que as organizações terroristas.

 

Kleist: Uma das últimas coisas que Hitler disse foi: "Vamos fechar a porta batendo-a com um grande estrondo atrás de nós." Ele não foi capaz de fazê-lo no momento, mas quem pode dizer se um líder iraniano não vai se sentir da mesma forma, algum dia? Ou olhe para o Paquistão: O que acontece se houver mudança de regime e os islamitas colocarem as mãos em bombas nucleares? Haverá outro Hitler algum dia.

 

Spiegel: Como podemos impedir que isso aconteça?

 

Kleist: É muito difícil. Teria que ser posto um ponto final na proliferação de armas nucleares. Não podemos permitir que ainda mais países obtenham essas armas terríveis. Mas, para conseguir isso, teríamos de impor sanções verdadeiramente enormes a países como o Irã.

 

Spiegel: Isso é o que está sendo tentado.

 

Kleist: Não, não a sério. Um boicote econômico real seria muito ruim para o povo iraniano. Por outro lado, algo terrível vai acontecer se não formos bem sucedidos.

 

 

    SERÁ O IRÃ REALMENTE BOMBARDEADO POR ISRAEL E EUA?

Veja a resposta aqui: A QUINTA PROFECIA DE LOURDES

 

VEJA TAMBÉM: BRASIL, UM ANÃO DIPLOMÁTICO, E UM GIGANTE DA CLEPTOCRACIA

 

Veja também: Sinistrose Mundial, CONFLITO DE CIVILIZAÇÕES