DESDE MAIO

DE 1999

NOSTRADAMUS - A HORA DA VERDADE

O MAIOR, MELHOR, E MAIS SÉRIO SITE EM PORTUGUÊS SOBRE NOSTRADAMUS

 

 Site editado por Wilson A de Mello Franco - Autor de 20 livros sobre Nostradamus.

FINALMENTE VOCÊ ENCONTROU UM SITE DE VERDADE SOBRE NOSTRADAMUS!

 

Menu Nostradamus

Menu Profecias

Contato - Imprensa

Cabala

Livros do Autor do Site

 ® DIREITOS RESERVADOS - EDITORA SÉCULO XXI LTDA

 Proibida a cópia de qualquer parte deste site, para qualquer fim, sem autorização dos autores.

 LEI 9610 dos Direitos Autorais, de 1998.      

 

 

    Este é um retrato escrito feito pelo melhor amigo e discípulo de Nostradamus

   

 

             RETRATO ESCRITO PÓSTUMO DE  NOSTRADAMUS

 

              por Jean-Aimé de Chavigny

 

 

                       Da Encyclopedia de Nostradamus (St-Martin's Press)

 

                                                             Tradução: Wilson A de Mello Franco


   "Ele era ligeiramente menor que a altura média, fisicamente robusto, vivo e vigoroso. Tinha sobrancelhas largas, amplas, retas, bem como o nariz, olhos acinzentados, de olhar suave, mas que faiscavam quando estava bravo. Seu semblante era severo e sorridente, de forma que sua severidade era vista como tempero de grande humanidade. Suas bochechas eram avermelhadas, até mesmo na idade avançada, a barba era longa e grossa e, exceto na velhice, era vigoroso e enérgico, com todos os seus sentidos acurados e relativamente inatingível. Com respeito à sua mente, era viva e idônea, facilmente capaz de entender qualquer coisa que quisesse. O julgamento era refinado, a memória admirável e segura. Ele era por natureza taciturno, pensava muito e falava pouco, ainda que discursasse perfeitamente bem conforme o tempo e o lugar exigiam. De resto, era alerta, sujeito a raivas súbitas, imediatas, contudo, um trabalhador paciente. Dormia somente quatro ou cinco horas por noite. Prezava e valorizava a liberdade de expressão e era por natureza alegre, como também jocoso, picante, e gozador. Aprovava o cerimonial da Igreja Romana e permaneceu fiel à fé católica e religião, defendendo que fora dela não havia salvação. Reprovou firmemente os que se afastaram do seu círculo, que estavam se deixando beber e alimentar por condenáveis doutrinas estrangeiras de liberdades permissivas. O fim deles, afirmou, seria ruim e desagradável. Não deveria eu esquecer de mencionar que ele era um médico inclinado a prescrever jejuns, orações, doações de esmolas, e austeridade. Detestava vício e o condenava severamente. De fato, recordo que ao dar ao pobre, aos quais ele era muito generoso e caridoso, constantemente estavam nos seus lábios estas palavras da Sagrada Escritura: "Ama a retidão e odeia a iniquidade"(1)

 

(1) Nota do tradutor: Salmos, 33: 5